Pages Menu
  • 16
  • 16
  • 16
  • 16
  • 16
Categories Menu
Memória

Memória

 

Cineclube Direitos Humanos

O Cineclube Direitos Humanos é uma iniciativa do Laboratório de Comunicação e História (LaCHi) e faz parte do calendário regular de atividades do Curso de Licenciatura em Ciências Sociais da Unirio. Cada sessão exibe um filme, seguido de discussão sobre tema relacionado a direitos humanos. Para o debate, as sessões contam com a presença de convidados, como diretores dos filmes, professores e/ou militantes.

2015

26/3

Filmes:

– Bandalargar (3’, Intervozes, Brasil, 2011)

– Fora coronéis da mídia (3’, Brasil, 2014)

– Três homens em conflito com a lei (3’, Intervozes, Brasil, 2015)

– Liberdade, essa palavra (27’, dir. Marcelo Baêta, Brasil, 2005-6)

– Gagged in Brazil (8’, dir. Daniel Florêncio, Grã-Bretanha, 2008)

– Levante sua voz (17’, dir. Pedro Ekman, Brasil, 2009)

– O controle social da imagem da mulher na mídia (27’, Articulação Mulher e Mídia/Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde, Brasil, 2009)

Convidado: Álvaro Neiva (jornalista e militante pela democratização da comunicação)

Tema: Direito à comunicação

 

2014

Em seu primeiro ano, o projeto contou com três sessões:

 

16/9

Filme: Netos: Identidade e Memória (Dir. Benjamín Ávila, Argentina, 2004)

Sinopse: “Durante o período de 1976 a 1983, a Argentina foi governada por uma ditadura militar. Durante estes anos, milhares de pessoas foram sequestradas e assassinadas com total impunidade. Em muitos casos, os filhos destes “desaparecidos” e os filhos recém-nascidos de mulheres grávidas no momento do sequestro foram apropriados ilegalmente. Os 500 bebês desaparecidos são um dos legados mais sombrios deste período. O trabalho incansável das Avós da Praça de Maio ao longo de mais de 27 anos permitiu que 80 destas crianças fossem restituídas a suas famílias biológicas. Longe de tentar uma revisão política ou histórica sobre este período, NETOS resgata, a partir dos relatos de alguns destes garotos, a dimensão humana que este processo de recuperação de uma nova e verdadeira identidade tem para eles; explorando a forma com que a história de ontem se inscreve na do presente e nos assinala um caminho para o futuro. NETOS é um filme comovente que busca também transmitir, aos jovens que permanecem com a idade falseada, a importância de reconstruir o quebra-cabeças da identidade e da memória, transformando em vida toda a dor.” (Fonte: DVD do filme)

Tema: Sequestro de crianças pela ditadura argentina (1976-1983).

(Matéria do TJ UFRJ sobre a sessão inaugural: https://www.youtube.com/watch?v=G-rOSWqawJU)

14/10

Filme: A Negação do Brasil (dir. Joel Zito Araújo, Brasil, 2000)

Sinopse: “O documentário é uma viagem na história da telenovela no Brasil e particularmente uma análise do papel nelas atribuído aos atores negros, que sempre representam personagens mais estereotipados e negativos. Baseado em suas memórias e em fortes evidências de pesquisas, o diretor aponta as influências das telenovelas nos processos de identidade étnica dos afro-brasileiros e faz um manifesto pela incorporação positiva do negro nas imagens televisivas do país.” (Fonte)

Convidado: Pablo Laignier, professor da ECO/UFRJ, Unesa e Ibmec.

Tema: racismo.

 

19/11

Filme: Missionários (dir. Cleisson Vidal e Andrea Prates, Brasil, 2005)

Sinopse: “O documentário Missionários retrata o sonho, as dificuldades e a perseverança de três detentos, André, Paulo e Luciano, em formar uma banda de rock, os Missionários do Rock. Ao acomapnhar o trabalho musical do grupo, assuntos como vida no cárcere, família, sexo, preconceito, arte, ressocialização e sistema prisional brasileiro são abordados com clarividência. Nesse sentido, fazer música atrás das grades é um código de superação das dificuldades e tragédias que lhes atormentam no dia-a-dia.” (Fonte: DVD do filme)

Convidada: Viviane Narvaes, professora do curso de Teatro da Unirio e coordenadora do Programa de Extensão Cultura na Prisão.

Tema: Arte na prisão.

 

Grupo de Estudos sobre Comunicação

Com encontros quinzenais, reuniu-se entre agosto de 2013 e setembro de 2014.

 

Site

Com o objetivo de registrar e divulgar o trabalho do Lachi, o site foi lançado em novembro de 2014.